OAB de Brusque se manifesta sobre o pagamento das mensalidades escolares diante da suspensão das atividades em virtude do Coronavírus

Há diversas realidades locais, entre creches/ensino infantil, ensino fundamental, médio e superior e a OAB acredita que deve haver diálogo e tratamento observando as distintas realidades.

Outras notícias da semana

Polícia Civil recupera celular furtado dentro de agência bancária

Polícia Civil de Brusque, através da Divisão de Furtos e Roubos - DFR, recuperou na noite desta terça-feira, 22, um aparelho telefônico da marca...

Diretor executivo do OSB fala sobre monitoramento das eleições 2020

O Observatório Social de Brusque (OSB) tem apresentado desde sua criação em um papel importante em diversas demandas especialmente no acompanhamento e...

Brusque FC fecha parceria e inicia projeto no e-Sports

Na tarde da última quinta-feira (25), o Brusque FC anunciou a primeira parceria no mundo dos jogos eletrônicos,...

Michel Belli desiste da candidatura de vice-prefeito com Paulo Sestrem e decide apoiar Ciro Roza

O empresário Michel Belli (PSC) desistiu da candidatura de ser vice-prefeito ao lado de Paulo Sestrem, do Republicanos. Antes de uma oficialização...

A OAB de Brusque, após diversos questionamentos recebidos sobre o assunto, iniciou hoje (06) diálogo com o PROCON/Brusque e com o Núcleo de Instituições Educacionais da ACIBr, bem como procurará a direção das instituições de ensino, a fim de encontrar o melhor caminho para equalizar possível impasse em relação às mensalidades escolares em decorrência da suspensão das atividades por conta da pandemia do COVID-19 (coronavírus).

Há diversas realidades locais, entre creches/ensino infantil, ensino fundamental, médio e superior e a OAB acredita que deve haver diálogo e tratamento observando as distintas realidades.

Diversas instituições estão realizando aulas em plataformas virtuais para o ensino fundamental, médio e superior, porém, os alunos de creches e do ensino infantil não possuem vinculação a uma grade curricular junto ao MEC e eventuais plataformas virtuais, neste caso, não contemplam a principal motivação dos pais, qual seja, a guarda momentânea das crianças, sobretudo aquelas matriculadas em período integral.

Vale lembrar que as atividades escolares foram suspensas em 19 de março e assim seguem até 17 de abril, podendo haver prorrogação deste período, de modo que, ao menos nas creches e no ensino infantil, não haverá tempo hábil para reposição, quer seja no recesso escolar de julho, quer seja em feriados e finais de semana, como já sugerido por algumas instituições. O PROCON/SC inclusive emitiu Nota Técnica (007/2020) destacando que “diferente das aulas de ensino fundamental, médio e superior que poderão ter o seu conteúdo reposto em outra ocasião, as creches não poderão fazer o mesmo, portanto, deverão encontrar meios para que o consumidor não seja prejudicado, mesmo sabendo que a situação foge ao controle ou a vontade do estabelecimento”.

Somado a isso, não estão sendo realizadas atividades de educação física, artes, balé, judô, robótica, entre outras tantas, em todos os níveis de ensino.

Ainda, a suspensão das atividades presenciais representa substancial redução de custos para as instituições, com despesas com água, luz, telefone, insumos, etc., que, sem dúvida, compõem o valor das mensalidades escolares.

Ademais, foram editadas Medidas Provisórias pelo Governo Federal em favor da manutenção do emprego e da renda, que possibilitam às instituições de ensino a adoção de medidas de redução temporária de jornada e salários, ou mesmo suspensão de contrato de trabalho de seus professores e demais colaboradores – a serem devidamente negociadas (MP 936/20); bem como, se for necessário, o financiamento da folha salarial com baixa taxa de juros, com prazo de 36 meses e carência de 06 meses para início do pagamento (MP 944/20).

Atenta à temática, a Secretaria Nacional do Consumidor se pronunciou e emitiu Nota Técnica no dia 25 de março, destacando a importância do diálogo neste momento, o que se espera das instituições de ensino, a fim de que seja possível encontrar a melhor solução.

Até porque, já foi apresentado no Senado Federal um projeto de lei que visa obrigar todas as instituições de ensino a reduzir em, no mínimo, 30% o valor das mensalidades, o que nos parece pior, pois haverá imposição, em que pese as razões que acompanharam o projeto de lei serem robustas e haver grande debate.

Assim, por meio das Comissões de Direito do Consumidor e de Mediação e Arbitragem, a OAB de Brusque acredita que possa contribuir para que instituições de ensino e pais de alunos consigam, com serenidade, encontrar uma solução razoável a atender ambos os lados, mirando, sempre, o bom senso, em meio à situação que atingiu todos os setores da sociedade, esperando que a sensibilidade e a solidariedade sejam adotadas como palavras de ordem neste momento em que, mais do que nunca, precisamos nos colocar uns nos lugares dos outros.

Últimas postagens

Interligado – sorteio de 25 de setembro.

Kit com duas agendas 2021 + canetas da Dokassa. Tudo o que você precisa em materiais escolares, escritório, limpeza e embalagens você...

Previsão do tempo de 25 de setembro.

Previsão do tempo de 25 de setembro.

Brusque FC fecha parceria e inicia projeto no e-Sports

Na tarde da última quinta-feira (25), o Brusque FC anunciou a primeira parceria no mundo dos jogos eletrônicos,...

Michel Belli desiste da candidatura de vice-prefeito com Paulo Sestrem e decide apoiar Ciro Roza

O empresário Michel Belli (PSC) desistiu da candidatura de ser vice-prefeito ao lado de Paulo Sestrem, do Republicanos. Antes de uma oficialização...

Campanha de multivacinação ocorre neste sábado técnicas da Vigilância Epidemiológica falam sobre ação

No sábado dia 26 de setembro, será realizada pela Vigilância Epidemiológica uma campanha de multivacinação. As pessoas podem procurar as unidades que possuem sala...
Publicidade
WhatsApp chat