Início Notícias Segurança Pública Publicada lei que trata de internação involuntária de usuário de droga

Publicada lei que trata de internação involuntária de usuário de droga

A Lei nº 13.840, de 5 de junho de 2019, que prevê, entre outras medidas, a internação involuntária de dependente de drogas, está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (6). Ela foi sancionada ontem (5) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e dispõe sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas.

No seu artigo 23-A, o texto diz que o tratamento do usuário ou dependente de drogas deverá ser ordenado em uma rede de atenção à saúde, com prioridade para as modalidades de tratamento ambulatorial, incluindo “excepcionalmente formas de internação em unidades de saúde e hospitais gerais nos termos de normas dispostas pela União e articuladas com os serviços de assistência social e em etapas”.

Entre essas etapas, está a que trata da internação do dependente, que somente deverá ser feita em “unidades de saúde ou hospitais gerais, dotados de equipes multidisciplinares e deverá ser obrigatoriamente autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina (CRM) do estado onde se localize o estabelecimento no qual se dará a internação”.

De acordo com a lei, serão consideradas dois tipos de internação: voluntária e involuntária. Na internação involuntária, o texto diz que ela deve ser realizada após a formalização da decisão por “médico responsável e indicada depois da avaliação sobre o tipo de droga utilizada, o padrão de uso e na hipótese comprovada da impossibilidade de utilização de outras alternativas terapêuticas previstas na rede de atenção à saúde”.

O documento indica que a internação involuntária deverão correr no prazo de tempo necessário à desintoxicação do paciente, “no prazo máximo de 90 dias, tendo seu término determinado pelo médico responsável; e que a família ou o representante legal poderá, a qualquer tempo, requerer ao médico a interrupção do tratamento”.

A lei prevê também que todas as internações e altas deverão ser informadas, em, no máximo, de 72 horas, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e a outros órgãos de fiscalização, por meio de sistema informatizado único”.

Must Read

Início do sábado é marcado por colisões veiculares; Bombeiros, PM e GTB atuaram nos casos

O Corpo de Bombeiros de Brusque e Guabiruba, além da Polícia Militar e Guarda de Trânsito (GTB), atenderam na manhã deste sábado,...

Confira os destaques atendidos pela PM nas últimas horas

Nesta sexta-feira, poucos depois das 16h, o Centro de Operações da Polícia Militar (COPOM) recebeu uma denúncia de que estaria ocorrendo tráfico...

Palestra ‘Friozinho 2020’, com Renata Abranchs, reuniu mais de 400 pessoas durante a Rodada de Negócios

Como parte da programação especial da 50ª Pronegócio, a Associação das Micro e Pequenas Empresas de Brusque e região (AmpeBr), em parceria...

Processo eleitoral do Conselho Tutelar de Brusque é tema da entrevista especial deste sábado, 24

As eleições para o Conselho Tutelar de Brusque estão previstas para o dia 6 de outubro e, por isso, a cidade vive,...

Everton Cunha, o ‘Kankinha’, é condenado em Júri Popular por acidente fatal em 2016

O Dr. Edemar Leopoldo Schlösser, Juiz da Vara Criminal, através da Assessoria Criminal, divulgou na noite de sexta-feira (23), sentença referente ao...
WhatsApp chat