Metalúrgicos de Brusque rejeitam contraproposta de reajuste dos empresários

Outras notícias da semana

Dia D da Campanha de Vacinação contra Poliomielite e Multivacinação segue até às 17h nas UBS de Brusque

As Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Brusque, que possuem sala de vacina, seguem abertas neste sábado (17), das 8h às 17h,...

Schwenck é apresentado como técnico do Renaux para Série C

O Clube Atlético Carlos Renaux apresentou nesta segunda-feira (19)o treinador que vai comandar o Vovô em busca do acesso à Série C do Campeonato...

Novo modelo de RG completa um ano em Santa Catarina

O novo modelo de carteira de identidade emitido pelo Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina (IGP/SC) completa um ano nesta semana....

Portal da Lei Aldir Blanc em Guabiruba passa a oferecer suporte on-line

O Portal de Gerenciamento e Transparência da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc a partir de agora oferece um serviço de suporte...

O auditório do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Brusque (Sintimmmeb) recebeu neste domingo, 19 de maio, a Assembleia Geral Ordinária da Convenção Coletiva de Trabalho 2019/2020, para discutir a contra proposta do sindicato patronal. O presidente do Sintimmmeb, Eduardo de Souza, explanou os itens aos trabalhadores e apresentou a proposta dos patrões. 

Após duas intensas rodadas de negociações entre o sindicado dos trabalhadores e o patronal, a proposta apresentada pelos empresários foi de 5,30% de reajuste (o INPC – Índice Geral de Preços ao Consumidor – dos últimos doze meses, de 5,07%, mais aumento real de 0,23%), piso da categoria, plano de saúde e prêmio assiduidade abaixo da inflação, além da limitação do pagamento de 50% de medicamento com receita médica às esposas dependentes.

Posto em votação, os trabalhadores presentes rejeitaram a proposta de reajustes nessas condições,os demais itens abaixo da inflação e também a regra de limitar o pagamento de 50% de medicamento com receita médica às esposas dependentes, sugerido pelos empresários. 

“A diretoria entende e os trabalhadores decidiram que reajustar esses itens abaixo da inflação não é viável. Até porque isso retira dos trabalhadores o sustento do dia a dia, com alimentação, vestimenta, moradia, inclusive com a saúde nossa e de nossos familiares. Limitar o benefício de pagamento de 50% do medicamento às esposas dependentes, como foi proposto não é justo. Porque a esposa que busca fazer um bolo, um doce pra vender, ou outro tipo de atividade para complementar a renda, não faz porque quer, mas porque precisa. E retirar esse direito, no momento em que mais se precisa, seria uma grande injustiça”. 

Agora, as reivindicações serão encaminhas ao sindicato patronal para continuidade das negociações da Convenção Coletiva de Trabalho 2019/2020.

Últimas postagens

Interligado – Sorteio de 22 de outubro.

Minissaia Jeans presente da Cosh Jeans, que está cheia de novidades pra toda a Família no Bairro Águas Claras, siga no instagram...

Previsão do tempo de 22 de outubro de 2020.

Previsão do tempo de 22 de outubro.

Conversando com Você de 22 de outubro de 2020.

Conversando com Você de 22 de outubro de 2020.

Diretora do SENAC fala sobre inscrições para o Vestibular, Pós-Graduação e volta de cursos presenciais

Gradativamente os cursos presenciais são retomados e o SENAC se prepara para receber novos alunos através do vestibular 2021 e também nos cursos de...

Obituário (22 de Outubro)

Central Funerária – Faleceu às 9h25 de quarta-feira (21), com 93 anos, Bertha Hoffmann, que residia no Centro II. Velório na Capela do Centro. Sepultamento às...
Publicidade
WhatsApp chat