Metalúrgicos de Brusque rejeitam contraproposta de reajuste dos empresários

Outras notícias da semana

Secretaria da Educação realiza conferência sobre inclusão escolar

A Secretaria da Educação de Brusque realiza nessa terça-feira (26) uma conferência com o tema “Construindo uma efetiva inclusão escolar”. O público-alvo...

Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2266 da Mega-Sena, realizado ontem (30), no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo, situado no terminal rodoviário do...

SINDUSCON comemora 30 anos de fundação, presidente fala sobre trajetória

Em Santa Catarina, em meio a pandemia de coronavírus, o setor da construção civil, foi o primeiro a retomar suas atividades. Foram muitas negociações...

Polícia realiza prisão e apreensão de drogas no bairro Souza Cruz

No final da tarde de quarta-feira, 27, policiais civis da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Brusque e policiais militares do Pelotão de Patrulhamento...

O auditório do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Brusque (Sintimmmeb) recebeu neste domingo, 19 de maio, a Assembleia Geral Ordinária da Convenção Coletiva de Trabalho 2019/2020, para discutir a contra proposta do sindicato patronal. O presidente do Sintimmmeb, Eduardo de Souza, explanou os itens aos trabalhadores e apresentou a proposta dos patrões. 

Após duas intensas rodadas de negociações entre o sindicado dos trabalhadores e o patronal, a proposta apresentada pelos empresários foi de 5,30% de reajuste (o INPC – Índice Geral de Preços ao Consumidor – dos últimos doze meses, de 5,07%, mais aumento real de 0,23%), piso da categoria, plano de saúde e prêmio assiduidade abaixo da inflação, além da limitação do pagamento de 50% de medicamento com receita médica às esposas dependentes.

Posto em votação, os trabalhadores presentes rejeitaram a proposta de reajustes nessas condições,os demais itens abaixo da inflação e também a regra de limitar o pagamento de 50% de medicamento com receita médica às esposas dependentes, sugerido pelos empresários. 

“A diretoria entende e os trabalhadores decidiram que reajustar esses itens abaixo da inflação não é viável. Até porque isso retira dos trabalhadores o sustento do dia a dia, com alimentação, vestimenta, moradia, inclusive com a saúde nossa e de nossos familiares. Limitar o benefício de pagamento de 50% do medicamento às esposas dependentes, como foi proposto não é justo. Porque a esposa que busca fazer um bolo, um doce pra vender, ou outro tipo de atividade para complementar a renda, não faz porque quer, mas porque precisa. E retirar esse direito, no momento em que mais se precisa, seria uma grande injustiça”. 

Agora, as reivindicações serão encaminhas ao sindicato patronal para continuidade das negociações da Convenção Coletiva de Trabalho 2019/2020.

Últimas postagens

PM prende homem com mandado em aberto por crime de roubo no Paraná

Na noite de sábado, 30, um homem com mandado de prisão por roubo foi preso pela Polícia Militar. A abordagem foi realizada na região...

Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2266 da Mega-Sena, realizado ontem (30), no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo, situado no terminal rodoviário do...

ANEEL anuncia bandeira tarifaria verde até dezembro de 2020

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) decidiu manter a bandeira verde acionada até 31/12/2020. O anúncio foi feito nesta terça-feira (26/5), em Reunião Pública da...

Boletim Epidemiológico: 146 casos confirmados de coronavírus em Brusque. 74 recuperados

Nas últimas 24h foram registrados sete novos casos de coronavírus em Brusque. Agora, a cidade tem 146 pacientes que já foram diagnosticados...

Prefeito de Brusque debate descentralização das ações de combate ao Coronavírus no Estado

O prefeito de Brusque, Jonas Paegle, participou na manhã de sábado (30) de uma webconferência com representantes do governo do Estado, chefes...
Publicidade
WhatsApp chat