Lei permite medidas emergenciais a mulheres vítimas de violência

Outras notícias da semana

UNIFEBE cria Plano de Retorno Gradual às Aulas Presenciais

O Centro Universitário de Brusque (UNIFEBE) criou um Plano de Retorno Gradual às Aulas Presenciais. O planejamento prevê a retomada em etapas das atividades...

Entra na reta final a pavimentação asfáltica da Estrada da Fazenda

A Prefeitura de Brusque, por meio do Departamento Geral de Infraestrutura (DGI), conclui esta semana a etapa final da pavimentação asfáltica da...

Sobe para 105 número de casos de Covid-19 em Brusque

O município de Brusque contabiliza até o momento 105 casos confirmados de Covid-19, sendo 55 mulheres e 50 homens. Nesta sexta-feira (22) três pacientes...

Polícia Civil apreende baterias furtadas e homem é preso por receptação

Na tarde desta sexta-feira, 22, policiais civis da Divisão de Investigação Criminal - DIC de Brusque, com apoio de policiais civis da DPCAMI de...

O presidente Jair Bolsonaro sancionou na tarde de hoje (13) a lei que permite que autoridades policiais determinem a aplicação de medidas protetivas a mulheres vítimas de violência doméstica. O prazo para sanção ou veto presidencial terminava hoje. A relatora do Projeto de Lei no Senado, Leila Barros (PSB-DF), confirmou a assinatura do presidente, que transformou o projeto em lei, sem vetos.

“Hoje no finalzinho da tarde o presidente sancionou o PL 94, sobre as medidas protetivas

[para as mulheres vítimas de agressão]

nas primeiras 24 horas”, disse a senadora. “Sabemos que nos rincões desse país existem muitos municípios que não têm comarca e muitas mulheres são vítimas de violência e não têm medida protetiva naquelas primeiras 24 horas. Sabemos que [as primeiras 24 horas] são a diferença entre a vida e a morte de muitas delas”. Leila acompanhou, no Palácio do Planalto, a sanção do PL.

O texto prevê que a autoridade policial poderá determinar a medida protetiva em cidades onde não haja um juiz para fazê-lo. Assim, o delegado ou até o próprio agente, na ausência do delegado, poderá determinar que o agressor saia de casa, mantendo distância da vítima até a análise do juiz. Segundo o texto, a autoridade policial deverá informar a decisão ao juiz da comarca mais próxima em até 24 horas.

Atualmente, a lei estabelece um prazo de 48 horas para que a polícia comunique o juiz sobre as agressões, para que, só então, ele decida sobre as medidas protetivas. A efetiva aplicação de medidas, no entanto, pode levar mais tempo para ocorrer, uma vez que a decisão só passa a valer após o agressor ser encontrado e intimado por um oficial de justiça.

lei encontra resistência entre os magistrados. A categoria alega que o texto confere à polícia uma competência exclusiva do Judiciário. Já representantes da Polícia Civil entendem que a medida pode salvar a vida de muitas mulheres.

“É muito comum as vítimas fazerem a ocorrência e voltarem à delegacia enquanto ele ainda não foi intimado de uma decisão judicial. E ela volta dizendo ‘ele está me mandando recado todos os dias, estou me sentindo muito ameaçada’”, disse a delegada-chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), Sandra Melo, em entrevista à Agência Brasil.

Últimas postagens

Previsão do tempo de 25 de maio.

Previsão do tempo de 25 de maio.

Conversando com Você de 25 de maio de 2020

Conversando com Você de 25 de maio de 2020. Ouça! Conversando com Você de 25 de maio de...

FAPESC lança 2ª edição do projeto Nascar

Uma ideia inovadora pode se transformar em novos negócios, uma empresa de sucesso e em mais empregos. Para incentivar esse processo, a...

Obituário, 25 de maio de 2020

Funerária Bom Socorro/Nova Trento - Faleceu às 15h de domingo (24),com 66 anos, Moacir Severino Voltolini. Velório na Capela Mortuária do Morro...

Carros colidem frontalmente no bairro Poço Fundo

Próximo das 19 horas de domingo, 24, o Serviço Móvel de Urgência (SAMU) e o Corpo de Bombeiros atenderam uma colisão frontal entre dois...
Publicidade
WhatsApp chat