Início Notícias Segurança Pública Lei permite medidas emergenciais a mulheres vítimas de violência

Lei permite medidas emergenciais a mulheres vítimas de violência

O presidente Jair Bolsonaro sancionou na tarde de hoje (13) a lei que permite que autoridades policiais determinem a aplicação de medidas protetivas a mulheres vítimas de violência doméstica. O prazo para sanção ou veto presidencial terminava hoje. A relatora do Projeto de Lei no Senado, Leila Barros (PSB-DF), confirmou a assinatura do presidente, que transformou o projeto em lei, sem vetos.

“Hoje no finalzinho da tarde o presidente sancionou o PL 94, sobre as medidas protetivas

[para as mulheres vítimas de agressão]

nas primeiras 24 horas”, disse a senadora. “Sabemos que nos rincões desse país existem muitos municípios que não têm comarca e muitas mulheres são vítimas de violência e não têm medida protetiva naquelas primeiras 24 horas. Sabemos que [as primeiras 24 horas] são a diferença entre a vida e a morte de muitas delas”. Leila acompanhou, no Palácio do Planalto, a sanção do PL.

O texto prevê que a autoridade policial poderá determinar a medida protetiva em cidades onde não haja um juiz para fazê-lo. Assim, o delegado ou até o próprio agente, na ausência do delegado, poderá determinar que o agressor saia de casa, mantendo distância da vítima até a análise do juiz. Segundo o texto, a autoridade policial deverá informar a decisão ao juiz da comarca mais próxima em até 24 horas.

Atualmente, a lei estabelece um prazo de 48 horas para que a polícia comunique o juiz sobre as agressões, para que, só então, ele decida sobre as medidas protetivas. A efetiva aplicação de medidas, no entanto, pode levar mais tempo para ocorrer, uma vez que a decisão só passa a valer após o agressor ser encontrado e intimado por um oficial de justiça.

lei encontra resistência entre os magistrados. A categoria alega que o texto confere à polícia uma competência exclusiva do Judiciário. Já representantes da Polícia Civil entendem que a medida pode salvar a vida de muitas mulheres.

“É muito comum as vítimas fazerem a ocorrência e voltarem à delegacia enquanto ele ainda não foi intimado de uma decisão judicial. E ela volta dizendo ‘ele está me mandando recado todos os dias, estou me sentindo muito ameaçada’”, disse a delegada-chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), Sandra Melo, em entrevista à Agência Brasil.

Must Read

CAPS II está com atendimentos suspensos durante mudança de endereço

A Secretaria de Saúde de Brusque informa que o Centro de Atenção Psicossocial – CAPS II está com o atendimento suspenso pelas...

Quatro homens morrem em acidente de trânsito em Tijucas

Faleceram no local do acidente o condutor do GM Celta e seus 3 passageiros. (Foto: Divulgação / PRE)

Solenidade marca 184 anos da PMSC e de 10 anos do 18° BPM

A manhã desta sexta-feira (24) foi marcada pela solenidade que comemora os 184 anos da Polícia Militar de Santa Catarina e dos...

Interligado – Resultado de 24 de maio.

Par de ingressos cine Gracher + copo Diplomata *** Ganhadora: Patricia Kohler *** Um arranjo buquê da água presente da...

Conversando com Você de 24 de maio de 2019

Conversando com Você de 24 de maio de 2019. Ouça! Conversando com Você de 24 de maio de...
WhatsApp chat