Ribeirões: históricos de denúncias, peixes mortos e indignação

Outras notícias da semana

Carro abandonado na rua Cristalina fica destruído após incêndio

No início da madrugada desta sexta-feira, 10, o Corpo de Bombeiros foi acionado para combater um incêndio em veículo. O sinistro atingiu um Fiat/Palio...

Bombeiros controlam princípio de incêndio em poste

Por volta das 7h deste domingo, 12, o Corpo de Bombeiros combateu um incêndio em fiação telefônica em um poste de iluminação pública. O...

Caminhão se desgoverna ao descer a rua Gustavo Halfpap

Um caminhão deslizou ao descer a rua Gustavo Halfpap e se chocou contra o guard-rail e o muro da residência que fica...

Brusque divulga nota cancelando evento Drive-in

A diretoria do Brusque Futebol Clube informou, em nota, que o drive-in solidário que aconteceria hoje foi cancelado. Nota

Dois recentes casos de poluição em ribeirões correram pelas redes e geraram fortes indignações das comunidades que convivem com o problema, no bairros Bateas e São Luiz. Em ambas as denúncias, a situação é recorrente, de modo que os moradores se sentem desamparados na busca por soluções.

Peixe bairro Bateas
Morador pegou peixe no rio Bateas com suspeita de poluição

No ribeirão que corta o bairro Bateas os moradores já lidam com a morte de peixes, por conta da contaminação da água, desde meados do ano 2000, como mostrou o morador Claudio Baron à reportagem.

Na última quarta-feira, 27, a situação voltou a se repetir.

A pratica mais comum da comunidade é tirar fotos, pegar os peixes para amostra aos órgãos de fiscalização e até congelar os peixes para que sirvam de análise, com a finalidade de descobrir se há substancias tóxicas na água.

Reportagem Ribeirão Bateas
Morador exibe reportagem que mostra o histórico de poluição do no rio Bateas

Moradores disseram em 2002 uma análise mostrou a presença da substância cianeto, conforme demostra na reportagem do Jornal Município à época.

“Essa reclamação já vem há muitos anos, tínhamos feito várias denúncias e é sempre a mesma história, pois a Fundema diz que vem e não tem como provar nada (mas foi encontrado cianeto, diz) e história é sempre a mesma: dizem que vão resolver e não resolvem”, criticou o morador Jonas.

Ribeirão Bateas
Ribeirão Bateas que passa por trás da casa do morador Claudio Baron, ouvido pela reportagem.

Com a situação registrada novamente, os moradores Jonas e Claudio Baron, divulgaram o caso nas redes sociais e clamaram às autoridades e à imprensa.  

“O problema é sério e já está na hora de resolver; não dá cheiro, mas os peixes chegam a pular para fora de tão forte que é o produto. Tinha uns poços e muita gente pegava os peixes e hoje eles ficam com medo. É uma pequena o que está acontecendo”, lamentou Claudio.

Imagens do ribeirão Bateas feitas pelo morador Jonas Martins

O que diz Fundema – De acordo com o superintendente da Fundação Municipal do Meio Ambiente, Cristiano Olinger, a empresa citada na denúncia foi visitada por dois fiscais.

“Essa empresa foi atuada e terá que prestar esclarecimentos na Fundema, a gente verificou que há algo irregular dentro da empresa”, disse. Sem mais detalhes da irregularidade encontrada e que não tem relação com amostras ou análises, mas, sim procedimentos burocráticos para serem regularizados.

Ribeirão São Luiz – O ribeirão que corta a rua Otto Heckert, conhecida como “Beco Kohler”, também já registra há pelo menos três anos o mesmo histórico – embora o problema já venha de longo tempo.

Denúncias da comunidade, vídeos, fotos, peixes mortos e indignação, também se repetem.

O morador Rafael Kolher falou ao Jornal da Diplomata e fez um desabafo sobre a falta de fiscalização efetiva.

“A alegação é que eles não têm equipamento, não tem mais convênio com a empresa que faz análise da água e quando está muito demais as ligações eles vão outro dia e dizem que o rio está incolor e não tem como provar, porque na hora não eles não vão”, comentou Kohler.  

Rafael conta que um mapeamento de iniciativa popular foi realizado, em que mostra as empresas no entorno do ribeirão.

“Não é legal acusar alguém sem fundamento, mas a conclusão, diante de todo esforço que a gente faz, é que é alguém muito forte, que a política não está permitindo”, disse.

Imagens sobre o ribeirão São Luiz feitas em 21 de março

Para levar a reclamação a diante, o morador explica que o caso foi encaminhado à Câmara de Vereadores (em forma de requerimento) e que nas próximas semanas juntará reportagens e documentos que serão levados ao Ministério Público Ambiental local e ao próprio MP.

O que diz a Fundema – O Jornal da Diplomata conversou por telefone com o superintendente da Fundação Municipal do Meio Ambiente, Cristiano Olinger.

A situação pelo lado do órgão fiscalizador é também uma outra guerra travada, contra procedimentos burocráticos, legislação e limitação técnica.  

“A gente vem monitorando por que é uma situação bem complicada, pois o (principalmente no Beco Kolher), o ribeirão vem tubulado uma grande parte e a gente não consegue determinar com 100% de certeza o poluidor”, explica Cristiano.  

Ribeirões: históricos de denúncias, peixes mortos e indignação
Fundema diz apura casos de denúncias em ribeirões

Olinger defende que o órgão em conjunto com a Polícia Militar Ambiental iniciou um trabalho de fiscalização noturna, sem aviso prévio, que já resultou em quatro autuações. As operações tentam flagra ações poluidoras diante do quadro de denúncias apresentadas pela população.  

Como nova medida dessa força-tarefa, um veículo foi adquirido para ser transformado em laboratório móvel, em que será possível gerar a situação de flagrante.

“Quero deixar claro que na última reunião de secretariado eu fui cobrado para iniciar essas diligências, o problema maior é técnico. A gente está pensando em maneiras de acabar com isso pois muitas vezes quando o efluente chega no rio ele veio de grandes distâncias (por tubulações) chegando na empresa não tem mais resquícios e ficamos de mãos atadas”, explicou.

Amostras – Cristiano explicou que o procedimento técnico das amostras é outro processo criterioso, para que se tenha legalidade penal e judicial. Dentro desse campo, a Polícia Ambiental tem contribuindo com o órgão.

“Não é tão simples, é questão técnica e não de simplesmente de vontade política ou não. A gente que fazer um trabalho efetivo, limpar de uma vez por todas os nossos rios, por isso dá ideia do carro/laboratório e do engenheiro químico – na equipe”, explicou.

Ribeirões: históricos de denúncias, peixes mortos e indignação
Ribeirões: históricos de denúncias, peixes mortos e indignação

Entre em contato com o Jornal da Diplomata:

jornal@diplomatafm.com.br

WhatsApp: 9-8818-5425

Telefone: 3351 2522

Últimas postagens

Humberto Fornari continua internado, conforme boletim médico deste domingo, 12

COVID-19 – Estado de Saúde do Secretário de Saúde, Humberto Fornari (Boletim Secom) Sobre o...

COVID-19: Brusque ultrapassa mil casos da doença

A Vigilância em Saúde de Brusque informa que foram registrados 53 novos casos de coronavírus nas últimas 24...

Botuverá tem 29 casos confirmados de coronavírus

A Secretaria de Saúde informou, na tarde deste domingo (12), que há 29 casos confirmados de coronavírus em Botuverá.

Bombeiros controlam princípio de incêndio em poste

Por volta das 7h deste domingo, 12, o Corpo de Bombeiros combateu um incêndio em fiação telefônica em um poste de iluminação pública. O...

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 44 milhões na terça-feira

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do Concurso 2.278 da Mega-Sena sorteadas neste sábado (11), no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo. Com isso, o prêmio para o...
Publicidade
WhatsApp chat